Seguidores

29 de nov de 2011

A COR-DE-UM-OLHAR



" Como poderei ser um poeta,
se não tenho em meus versos
as palavras que definam
a cor-de-um-olhar.

Não falo do olhar do dia a dia,
que nasce em cada esquina.
Esse, tem cor desbotada,
são de palavras gastas e desusadas.

Falo do olhar-antes-de-uma-lágrima e,
do olhar-depois-de-um-adeus.
Aquele que faz um sentimento curvar-se,
uma alma calar-se.

Desse ...
Não tenho as palavras. "


=- Bruno de Paula -=

2 comentários:

  1. "Gosto de olhar as pedras e os desenhos do vento na superficie da água, gosto de sentir as modificações da luz quando o sol está desaparecendo do outro lado do rio, gosto de sentir o dia se transformando em noite e em dia outra vez, gosto de olhar as crianças brincando no corredor de entrada e das palmeiras que existem no meio da minha rua — gosto de pensar que vou sempre ter olhos para gostar dessas coisas, e por mais sozinho ou triste que eu esteja vou ter sempre esse olhar sobre as coisas."
    - Caio Fernando Abreu -

    ResponderExcluir
  2. Conviver com uma visão turva e incompleta de uma resposta furtiva e vazia... quem sabe, com a hipocrisia do silêncio que absorve e rouba a liberdade das palavra...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.